ACLIMATAÇÃO OLÍMPICA - Equipe de judô brasileira se completa em Tóquio para os Jogos, confira:

A equipe de judô brasileira se completou nesta quinta-feira (15) para a aclimatação dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

- Primeira parte da equipe

Embarcou a primeira parte da equipe brasileira composta de seis dos 13 judocas convocados para Tóquio 2021 no Japão na quinta-feira passada (08), Eric Takabatake (60kg), Daniel Cargnin (66kg), Eduardo Katsuhiro Barbosa (73kg), Rafael Silva (+100kg), Gabriela Chibana (48kg) e Larissa Pimenta (52kg). Eles foram acompanhados ainda por membros da comissão técnica e por atletas de apoio em um grupo composto por 26 pessoas ao todo. Todos os integrantes do primeiro grupo foram aprovados nos protocolos de saúde pré-viagem estabelecidos pelo Comitê Olímpico do Brasil e pelo Comitê Organizador Tóquio 2020.

Delegação de judô em Guarulhos (SP)

foto - Gaspar Nóbrega/COB

No Aeroporto de Guarulhos, a seleção foi recebida pela equipe médica do COB, que realizou o último teste de Covid-19 (antígeno) antes de liberar a delegação para a viagem. O voo que levou os judocas brasileiros a Tóquio saiu de São Paulo e ainda fez uma parada em Frankfurt, na Alemanha, antes de chegar no Japão.

“Para mim, parece que é a primeira Olimpíada. Primeiro, porque cada Olimpíada é diferente. E essa, no meio dessa questão de pandemia, uma série de protocolos, de regras, então estou me adaptando a tudo isso. É uma sensação de estar sendo tudo novo”, disse o duas vezes medalhista olímpico, Rafael Silva, que pediu para chegar mais cedo ao Japão junto com os judocas mais leves. “Estou ansioso para chegar lá, aclimatar e começar a me colocar em condições de estar muito bem no dia da luta.”

Baby é o único veterano da turma que embarcou neste primeiro grupo. Para os outros cinco judocas, essa será, de fato, a primeira viagem olímpica.

“Agora, estou acreditando bastante na Olimpíada, de estar lá. No dia-a-dia do treinamento é diferente de estar com a delegação pronta para ir. Esse contato está sendo muito bom, estou muito feliz de estar aqui. A gente sabia, desde antes de vir para cá, que ia ser um caminho bem desafiador, que vai ter que ter um pouco mais de tranquilidade, de paciência. Mas, como meu foco está na medalha, na Olimpíada, eu estou até curtindo todo esse processo”, revelou o meio-leve Daniel Cargnin, que lutará logo no segundo dia de competição em Tóquio.

Grupo 1

Atleta Olímpico - 60kg, Eric Takabatake

Atleta Olímpico - 48kg, Gabriela Chibana

Atleta Olímpico - 66kg, Daniel Cargnin

Atleta Olímpico - 52kg, Larissa Pimenta

Atleta Olímpico - 73kg, Eduardo Katsuhiro Barbosa

Atleta Olímpico - +100kg, Rafael Silva

Atleta Apoio - Thayane Lemos

Atleta Apoio - Alexia Nascimento

Atleta Apoio - Maria Taba

Atleta Apoio - Yasmim Lima

Atleta Apoio - Matheus Takaki

Atleta Apoio - David Lima

Atleta Apoio - Gustavo Borsoi

Atleta Apoio - João Lucas Soares

Atleta Apoio - Jeferson Santos Jr

Chefe de Equipe - Ney Wilson Pereira da Silva

Sub-chefe de Equipe - Katherine Campos

Coordenadora Técnica - Rosicleia Campos

Coordenador Técnico - Luiz Juniti Shinohara

Técnico - Mario Tsutsui

Técnica - Yuko Fujii

Médico - Antonio Garofo

Preparador Físico - Wagner Zaccani

Nutricionista - Roberta Lima

Fisioterapeuta - Ricardo Amadei

Fisioterapeuta - Glaucio Paredes

Início da aclimatação do grupo 1

No domingo (11), os atletas do grupo 1 realizaram o 1° treino regenerativo em solo japonês, no Ginásio Yuto, na cidade de Hamamatsu (cidade onde o Comitê Olímpico Brasileiro irá fazer sua aclimatação).

Eric Takabatake (60kg), Daniel Cargnin (66kg), Eduardo Katsuhiro Barbosa (73kg), Rafael “Baby” Silva (+100kg), Gabriela Chibana (48kg) e Larissa Pimenta (52kg), todos os convocados que já estão no Japão, participaram da atividade regenerativa.

“É essencial chegar com essa antecedência, ter essa estrutura montada ao longo de cinco anos de muita troca, com todas as áreas da equipe multidisciplinar dando sugestões para que, agora, estivesse tudo pronto para receber a equipe e tenho certeza que os atletas estão muito satisfeitos. Eles terão a tranquilidade de estar longe do Brasil, com foco total na competição, já vivenciando o clima olímpico”, disse Ney Wilson, gestor de alto rendimento da Confederação Brasileira de Judô e chefe da equipe de judô na Missão Tóquio 2020.

“Esse primeiro dia foi para soltar, retirar o jet leg de uma longa viagem e começar a trabalhar os ajustes finais. Tudo que a preparação exigia, já foi feito. Agora é o trabalho deles dentro dos tatames para buscar as medalhas olímpicas”, completou.

O momento foi um pouco mais especial para Eduardo Katsuhiro. Ele viveu na cidade por 14 anos com sua avó. A Confederação Brasileira de Judô utiliza a instalação desde 2016 e, por isso, Dudu, como é conhecido, teve outras oportunidades de treinar junto com a seleção brasileira na cidade. Desta vez, sem ter amigos, conhecidos e até parentes por perto, como nas outras vezes, o que não muda em nada o sentimento de estar em casa do outro lado do planeta.

Eduardo Katsuhiro Barbosa (judogi azul) treinando em Hamamatsu, onde morou quando criança e Jefferson Santos Jr (judogi branco) ajudando-o como seu apoio.

foto - Gaspar Nóbrega/COB

“O mundo é muito pequeno. Indescritível a sensação de estar fazendo a aclimatação para os meus primeiros Jogos Olímpicos na cidade onde passei minha infância. Por causa de todos os protocolos necessários para nossa segurança, não vou poder estar perto dos meus amigos, mas só de estar em Hamamatsu, sinto que minha energia será maior e vou chegar muito bem no dia da competição. Estou muito feliz de estar aqui”, disse Katsuhiro.

“Tem a responsabilidade de estar representando o meu país, todos os atletas do peso leve, mas também uma satisfação muito grande, sensação de realização de um sonho. E vou deixar tudo de mim dentro da competição”, completou.

Já para Larissa Pimenta, outra das estreantes nos Jogos Olímpicos, os dias que antecedem o início do torneio de judô em Hamamatsu serão importantes para focar totalmente nos Jogos.

Larissa Pimenta no 1° treino

foto - Gaspar Nóbrega/COB

“Nessa reta final é manter uma alimentação boa, cuidar do peso, seguir os protocolos para não ter riscos à saúde e ir entrando no fuso horário, aclimatando mesmo para irmos bem na competição. O meu objetivo é dar o melhor, mas também me divertir e viver intensamente cada momento dentro dos Jogos”, disse Pimenta

- Segunda parte da equipe

A segunda parte da equipe brasileira viajou na última terça-feira (13) com os 7 atletas restantes para completar a equipe em Tóquio para a aclimatação olímpica. Ketleyn Quadros (63kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg), Maria Suelen Altheman (+78kg), Yudy Santos (81kg), Rafael Macedo (90kg) e Rafael Buzacarini (100kg). Os atletas viajaram juntamente com os membros da comissão técnica e os demais atletas de apoio.

Segunda parte da equipe embarcando para o Japão em Guarulhos (SP)

foto - Lara Monsores/CBJ

Com uma parada em Frankfurt, na Alemanha, e mais quatro horas de ônibus de Tóquio até Hamamatsu, a longa viagem terminou cerca de 40 horas depois da saída do Brasil.

"Finalmente este dia chegou, estou muito empolgada, muito feliz e agradecida por esta oportunidade", disse Maria Portela.

"A viagem é longa, mas estou indo com muita alegria, é um sonho se realizando e estamos indo para buscar essa medalha. É um prazer estar aqui", comentou o peso médio brasileiro, Rafael Macedo.

"Já deu para sentir o clima com meus amigos e companheiros de equipe que chegaram, é uma felicidade estar embarcando para os Jogos.

Acho que vai ser diferente de como foi no Brasil. No Rio teve aquele calor da torcida, agora não vai ter público mais. Mas, a gente tem que estar preparado para chegar lá e lutar. Eu estou bem feliz, é minha segunda Olimpíada. Uma no Brasil e uma na casa do judô. Feliz demais por isso”, pontuou Rafael Buzacarini.

Grupo 2

Atleta Olímpico - 63kg, Ketleyn Quadros

Atleta Olímpico - 81kg, Eduardo Yudy Santos

Atleta Olímpico - 70kg, Maria Portela

Atleta Olímpico - 90kg, Rafael Macedo

Atleta Olímpico - 78kg, Mayra Aguiar

Atleta Olímpico - 100kg, Rafael Buzacarini

Atleta Olímpico - +78kg, Maria Suelen Altheman

Atleta Apoio - Gabriel Dezani

Atleta Apoio - Wilger Mendes

Atleta Apoio - Guilherme Schimidt

Atleta Apoio - Igor Morishigue

Atleta Apoio - Kayo Santos

Atleta Apoio - André Humberto

Atleta Apoio - Eliza Ramos

Atleta Apoio - Luana Carvalho

Atleta Apoio - Maria Diniz

Atleta Apoio - Giovanna Santos

Atleta Apoio - Milena Silva

Atleta Apoio - Ellen Froner

Sub-chefe de Equipe - Bernardo Seabra

Técnico da Base - Douglas Potrich

Gestor da Base - Marcelo Theotonio

Assessoria de Imprensa - Lara Monsores

Reta Final

O período de aclimatação do Brasil em Hamamatsu vai de 10 até 28 de julho, quando os últimos atletas deixarão a cidade rumo à Vila Olímpica. As saídas serão escalonadas, de acordo com a agenda de competição de cada judoca. A estratégia de ficar fora da Vila Olímpica é adotada pela CBJ desde 2012 e tem como objetivo oferecer um local mais tranquilo e exclusivo para a reta final de preparação dos judocas. A competição de Judô em Tóquio será no período de 24 a 31 de julho.

As disputas do Judô acontecerão no templo das artes marciais japonesas, a histórica Nippon Budokan, que recebeu o judô em 1964, quando a modalidade estreou no programa olímpico. Serão oito dias de lutas, com uma categoria de peso por dia, começando pela categoria ligeiro (Eric Takabatake e Gabriela Chibana) no dia 24 de julho. A inédita disputa por equipes mistas encerra o judô em Tóquio no dia 31.

As preliminares começam 11h (hora local), com bloco final (repescagens, semifinais, bronzes e finais) a partir das 17h (hora local). Será, portanto, às 23h e às 5h da manhã no horário de Brasília.

com informações de: CBJ e COB

Por Ernane Neves, da Shihan Intersports, em São Paulo


Busca no Blog